PRODAPE pode marcar uma viragem na actividade aquícola

PRODAPE pode marcar uma viragem na actividade aquícola

O Presidente da República, Filipe Nyusi, considera o Projecto de Desenvolvimento da Aquacultura de Pequena Escala (PRODAPE) como sendo estruturante e transformacional que pode marcar viragem na actividade aquícola no país.

O Chefe de Estado falava hoje em Chitima, distrito de Cahora Bassa, na cerimónia do lançamento do projecto que tem um financiamento de 49 milhões de dólares norte americanos, financiados pelo Fundo Internacional de Desenvolvimento Agrícola (FIDA).

 “Em 2020, a produção de peixe em cativeiro foi de pouco mais de 3.000 toneladas, proveniente, essencialmente, do subsector de pequena escala.

O sector pesqueiro contribui somente com cerca dois por cento do PIB”- referiu.

Segundo ele, tendo em conta que Moçambique possui condições naturais favoráveis para o desenvolvimento da aquacultura, com um potencial produtivo de quatro milhões de toneladas por ano, os actuais níveis de produção estão aquém do potencial.

Portando, entende ser urgente mudar a situação de toda cadeia de valor, o que permitirá a melhoria dos níveis de produção.

“E, na verdade, o Projecto de Desenvolvimento da Aquacultura de Pequena Escala vem se encaixar perfeitamente na nossa visão estratégica de uma aquacultura como pilar na geração de renda, criação de riqueza e garante da segurança alimentar e nutricional das famílias moçambicanas, mas também evoluindo do actual modelo de aquacultura de subsistência para modelos de produção empresarial”.

De acordo com o Chefe de Estado, com o lançamento do PRODAPE a aquacultura ganha mais robustez, seja de pequena escala assim como a empresarial.

O projecto a ser implementando em 23 distritos do país, espera-se depois de cinco anos a produção de cerca de 24 mil toneladas de pescado.

O projecto, a beneficiar cerca de 90 mil pessoas, poderá igualmente gerar cerca de 17 mil empregos.

Por seu turno, a ministra do Mar, Águas Interiores e Pescas, Augusta Maita, disse que o PRODAPE é parte dos desafios colocados pelo Chefe de Estado e o lançamento reveste-se de capital importância para a aquacultura, porque vai melhorar o desempenho do sector. Por sua vez, a directora regional da África Austral e Oriental do FIDA, Sara Mbago-Bunu, disse que o projecto vai contribuir para a melhoria da vida da população, concorrendo para o alcance dos Objectivos de Desenvolvimento do Sustentável, incluindo a erradicação da pobreza, fome zero e equidade de género.